Cientistas da Suécia desenvolveram uma nova técnica que torna possível a captação de energia solar para armazenamento em forma de bateria líquida por vários anos.

A nova tecnologia pode ser uma ótima alternativa às baterias de íon-lítio utilizadas atualmente em smartphones e outros dispositivos portáteis, e que ainda são um grande desafio tecnológico para as fabricantes. A pesquisa da bateria líquida foi desenvolvida na Chalmers University of Technology, em Gotemburgo, na Suécia.

Sistema de armazenamento de energia pode guardar eletricidade por até 18 anos, afirmam cientistas

O estudo consiste em utilizar uma substância composta por moléculas de carbono, nitrogênio e hidrogênio. Essa substância é exposta ao sol, as moléculas mudam de forma e armazenam a energia solar na forma líquida.

Chamado de Sistemas Moleculares de Armazenamento de Energia Térmica Solar (MOST), a técnica utiliza um catalisador que torna possível liberar, dependendo da necessidade, a energia armazenada na bateria líquida, de acordo com que as moléculas vão voltando à sua forma original. A energia é gerada a partir do calor emitido, utilizando um gerador termoelétrico de tamanho micrométrico.

Leia também: Cientistas descobrem enzima artificial que é promessa significativa para desenvolvimento de um novo tipo de energia renovável além da solar, eólica e biomassa

De acordo com os cientistas, o sistema de armazenamento de energia pode guardar eletricidade por até 18 anos e liberá-la apenas quando é necessário, independentemente do clima, estação do ano, hora do dia ou localização geográfica.

Além disso, o MOST traz benefícios ao meio ambiente por ser uma bateria líquida que utiliza energia solar e não emite CO2 na atmosfera.

Bateria líquida pode ser facilmente transportada

Durante o estudo, a bateria líquida foi carregada com a energia solar na Suécia e logo após, foi enviada para a China, para que outros pesquisadores da Universidade Jiao Tong de Xangai convertessem a energia armazenada em eletricidade, o que demonstra que o sistema é potencialmente transportável.

Zhihang Wang, um dos pesquisadores envolvidos na pesquisa, diz que até então só foi possível gerar pequenas quantidades de energia elétrica.

Entretanto, o conceito de armazenamento de energia em bateria líquida é promissor e que, com a evolução da tecnologia, haverá a possibilidade de desenvolver smartphones e outros dispositivos que podem utilizar energia solar armazenada.

Segundo Wang, o gerador é um chip ultrafino que pode ser integrado a eletrônicos como fones de ouvido, telefones e relógios inteligentes. Além de substituir as baterias comuns atuais, o sistema também poderia ser utilizado em outros aparelhos eletrônicos do dia a dia ou até mesmo para aquecer casas e locais com invernos rigorosos. 

China desenvolve armazenamento de energia com base em gravidade

O primeiro sistema EVx de 100 MWh está com suas obras já em andamento desde o mês de março, e tem como intuito apoiar a resiliência da rede e a entrega de energia limpa à rede da China. A líder em soluções em energia limpa de armazenamento de energia, Energy Vault Holdings anunciou.

Leia: Alerta – Poluição por plástico deverá triplicar nos próximos 40 anos, segundo cientistas

O sistema de armazenamento com base em gravidade de 100 MWh está sendo desenvolvido próximo a um parque de energia eólica e também local de rede nacional em Rudong, província de Jiangsu, situada fora de Xangai, para expandir e equilibrar a rede nacional de energia do país asiático através da geração de energia sustentável State Grid Corporation of China, que é a maior concessionária do mundo, fornecendo energia para cerca de 1,1 bilhão de cidadãos da china em 26 províncias, municípios e regiões autônomas, cobrindo cerca de 88% do território da China.

O começo da construção do sistema de armazenamento de energia à base de gravidade segue contrato de licença e royalties.