A Prefeitura de Niterói em parceria com a UFF está desenvolvendo uma embarcação movida a energia solar e eólica que será utilizada para a coleta e monitoração de água da Baía de Guanabara. O veleiro F-Boat já está em fase de testes e promete utilizar energia solar e energia eólica.

O projeto da Prefeitura é uma parceria entre o Programa de Desenvolvimento de Projetos Aplicados (PDPA), a Universidade Federal Fluminense (UFF), a Prefeitura de Niterói e a Fundação Euclides da Cunha (FEC).

Embarcação fruto da parceria entre Prefeitura de Niterói e UFF tem autonomia de 24 horas por uma semana inteira

Atualmente, o veículo movido a energia eólica e energia solar está passando por observação do funcionamento e reparos na visão computacional, além da substituição de hardware e controle mais robusto.

O modelo sustentável também está recebendo melhorias nos sensores de vento. O barco está sendo desenvolvido pelos departamentos de Engenharia Elétrica (TEE-UFF), Instituto de Computação (IC-UFF) e da Engenharia de Recursos Hídricos e Meio Ambiente (TGH-UFF). 

Leia: Pesquisadores criam “bateria líquida” que armazena energia solar

O F-Boat conta com um sistema de inteligência artificial para garantir sua autonomia de 24 horas por dia durante os sete dias semanais, sendo o primeiro veleiro autônomo movido a energia limpa desenvolvido pela Universidade.

De acordo com Luciano Paez, secretário municipal do Clima, o barco cumpre um papel essencial de analisar vários parâmetros de qualidade da água, além de fazer isso por meio da energia solar e energia eólica. Paez afirma que o projeto demonstra que a mobilidade sustentável é um caminho sem volta e a mobilidade com zero emissão de carbono é uma das ações que a Secretaria do Clima se dedica e apoia.

Barco construído em Niterói poderá ser utilizado como plataforma

De acordo com Esteban Walter Gonzales Clua, professor do Instituto de Computação, o projeto será benéfico para os estudos sobre questões ambientais e que o objetivo é que, quando o barco construído em Niterói ficar pronto e funcionando como um veículo autônomo, seja um laboratório para questões ligadas ao meio ambiente, onde seja possível cada vez mais embarcar em novos sensores e novas estratégias de monitoramento, até permitir que qualquer grupo da UFF, ou até mesmo de outras universidades, possam utilizá-lo como plataforma.

Para velejar sozinho, o barco movido a energia solar e energia eólica necessita de sensores como anemômetro e biruta, indicadores de direção do vento e velocidade.

As informações são levadas para o computador instalado dentro do veleiro, traçando as melhores estratégias de posicionamento do leme e da vela. O sistema de coleta de água para monitoramento ambiental também está sendo instalado no barco para que no fim do projeto, uma sonda medidora indique a qualidade da água, oxigenação, PH e outros dados enviados em tempo real para o operador.

Navio utiliza outras tecnologias e equipamentos para a coleta de água

Em relação à Inteligência Artificial, o objetivo com seu uso é detectar focos de contaminação e poluição, tornando possível gerar medidas preventivas. A embarcação desenvolvida em Niterói também poderá auxiliar na revisão ou na manutenção de problemas.

Segundo Wanderson da Silva Corrêa, engenheiro mecânico e estudante de mestrado em Engenharia Elétrica, afirma que foi implementado na embarcação um equipamento conhecido como sonda paramétrica, escolhida devido a pesquisas feitas com órgãos públicos do Rio, com a Cedae e também órgãos de fora do estado.

Os pesquisadores descobriram que grande parte deles utiliza este tipo de equipamento para adquirir alguns dados da água como temperatura, PH, quantidade de coliformes fecais, microplásticos, algas e também alguns elementos químicos presentes na água.