Baterias de silício aumentam autonomia dos veículos elétricos em 40%, isso pode redefinir o mercado de carros elétricos

Baterias de silício aumentam autonomia de veículos elétricos em 40%, isso pode redefinir o mercado de carros elétricos Foto: InsideEVs / Reprodução

Tecnologia desenvolvida por Panasonic e Silas Nanotechnologie pode aumentar autonomia dos veículos elétricos em até 40% e reduzir o tempo de recarga pela metade

Publicidade

Em um desenvolvimento que promete transformar o setor automotivo, a Panasonic Energy Co., Ltd., em parceria com a Sila Nanotechnologies Inc., anunciou um acordo comercial para o fornecimento de anodo de silício nano-composto Titan Silicon™ para baterias de íon-lítio de veículos elétricos (VEs). Este material avançado, produzido na fábrica da Sila em Moses Lake, WA, está otimizado para as baterias de próxima geração da Panasonic com potencial para aumentar autonomia dos veículos elétricos e reduzir os tempos de carga.

A Panasonic Energy, reconhecida como líder global no avanço do desempenho e inovação em baterias automotivas, planeja aumentar a capacidade global de produção de baterias automotivas para 200 GWh até o ano fiscal de 2030/31.

Publicidade

A empresa tem como objetivo desenvolver tecnologia de bateria de desempenho pioneira, alcançando uma densidade de energia volumétrica de 1000 Wh/L até o ano fiscal de 2030/31.

A parceria com a Sila para otimizar os ganhos de desempenho já alcançados com o Titan Silicon é um passo significativo para alcançar esse objetivo

O Titan Silicon da Sila é o primeiro substituto de anodo de grafite comprovado no mercado, projetado para escala em massa e alto desempenho, oferecendo um aumento de 20% no alcance hoje, com uma pista de desenvolvimento para dobrar esses ganhos. Além disso, o silício nano-composto da Sila melhora o tempo de carregamento das baterias, visando reduzir os tempos de carga para apenas dez minutos.

Publicidade
LEIA TAMBÉM:  A JAC Motors está começando a exportar um grande lote de veículos elétricos com baterias de sódio para a América Latina

Este avanço tecnológico também tem implicações significativas para a sustentabilidade e a competição global no setor de baterias de VEs. O Titan Silicon produz substancialmente menos CO2 por kWh do que o grafite durante a produção e é fabricado nos EUA, o que ajuda os fabricantes de automóveis a cumprir os requisitos para os créditos fiscais da Lei de Redução da Inflação.

Atualmente, mais de 90% do grafite é extraído e/ou processado na China. Portanto, a adoção de anodos de silício poderia reduzir a dependência das matérias-primas chinesas, fortalecendo a posição dos EUA na rivalidade global de baterias de VE.

Publicidade

As baterias com anodos de silício prometem ser um divisor de águas para a indústria de VEs, abordando preocupações críticas, como a ansiedade de alcance e o tempo de carregamento

Ao estender o alcance e reduzir drasticamente os tempos de carregamento, a tecnologia da Sila pode acelerar significativamente a adoção de veículos elétricos. A Sila foi a primeira a trazer anodos de silício de próxima geração para o mercado com seu lançamento em 2021 no wearable WHOOP 4.0 e, em 2022, tornou-se a primeira empresa de materiais de bateria de próxima geração a assinar um acordo de fornecimento com um grande fabricante automotivo, a Mercedes-Benz.

Este desenvolvimento representa um marco significativo para a Sila, seus clientes e toda a indústria de VEs. Ao aproveitar o potencial do Titan Silicon, os parceiros visam redefinir o que é possível para o desempenho de VE e acelerar a transição para um futuro mais limpo.

LEIA TAMBÉM:  Nova lancha elétrica Arc Sport tem autonomia de 4 a 5 horas por carga e pode levar até 15 passageiros

Gene Berdichevsky, co-fundador e CEO da Sila, prevê que até 2030, um terço dos VEs do mundo virá com anodos baseados em silício e, até 2035, todos eles terão.

Siga-nos no Google News

Publicidade

Tags: | | | | |

Sobre o Autor

Ana Paula Araújo
Ana Paula Araújo

Ana Paula Araújo escreve no Cultura Ambiental nas Escolas sobre meio ambiente, sustentabilidade, energias renováveis e suas implicações, veículos elétricos e as principais novidades do setor.

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *