Startup holandesa desenvolve robô autônomo capaz de operar por até 10 horas e coletar até 500 kg de lixo por dia de rios e lagos

WasteShark RanMarine Technology Foto: WasteShark RanMarine / Divulgação

O WasteShark é um robô aquático autônomo projetado para coletar detritos flutuantes, incluindo plásticos, microplásticos e óleos das superfícies de rios e lagos.

Publicidade

Em um mundo onde a poluição aquática se torna uma preocupação cada vez maior, uma solução inovadora emerge da RanMarine Technology, uma startup holandesa. Eles desenvolveram o WasteShark, um robô aquático autônomo projetado para coletar detritos flutuantes, incluindo plásticos, microplásticos, e óleos das superfícies de rios e lagos.

Este robô, inspirado na eficiência e forma de um tubarão-baleia, apresenta um design compacto e elétrico. Com uma autonomia impressionante, ele pode operar por 8 a 10 horas, coletando até 500 kg de lixo por dia. O WasteShark não apenas coleta lixo mas também dados ambientais importantes, ajudando a monitorar e melhorar a qualidade da água.

Publicidade

WasteShark é capaz de coletar até 500 kg de detritos por dia, equivalente a cerca de 21 mil garrafas plásticas

O WasteShark representa uma significativa contribuição para a redução da poluição em hidrovias, tendo um impacto positivo na preservação da vida aquática. Com sua tecnologia não poluente, ele é uma promessa para um futuro mais limpo e sustentável, mostrando o potencial de combinação entre inovação tecnológica e cuidado ambiental.

O WasteShark passou por testes em Canary Wharf, um proeminente distrito financeiro localizado às margens do rio Tâmisa, em Londres. Este teste faz parte de um projeto mais amplo que visa limpar a área e transformá-la em um ambiente mais saudável e biodiverso.

Publicidade
LEIA TAMBÉM:  NEOM divulga novo vídeo mostrando a ascensão de The Line, a metrópole futurista de 170 km no deserto Saudita
WasteShark da RanMarine Technology
Foto: Nick Kindon | WWF-UK

A escolha de Canary Wharf como local de teste é particularmente notável, considerando que apenas 14% dos rios na Inglaterra estão atualmente em bom estado ecológico, atormentados por poluentes variados, incluindo plásticos descartáveis, esgoto e resíduos agrícolas.

Através de sua capacidade de remover uma grande quantidade de detritos dos corpos d’água, o WasteShark se destaca como uma solução promissora e eficiente no combate à poluição. Seu design e funcionalidades demonstram como a tecnologia pode ser utilizada para criar um ambiente mais saudável e preservar nossos ecossistemas aquáticos.

Publicidade

Desafios e inovações na limpeza de ambientes aquáticos

Enquanto tecnologias como o WasteShark da RanMarine Technology fazem avanços significativos na limpeza de detritos maiores em rios e lagos, a problemática da poluição por plásticos em ambientes aquáticos continua a crescer globalmente.

De acordo com um relatório recente da UN Environment Programme, a poluição por plástico nos oceanos e em outros corpos d’água está aumentando a um ritmo alarmante, com a previsão de mais que dobrar até 2030.

Este aumento contínuo representa uma séria ameaça para a saúde, economia, biodiversidade e o clima global. É crucial uma redução drástica na produção e consumo de plásticos desnecessários, evitáveis e problemáticos para enfrentar a crise de poluição global.

Siga-nos no Google News

Publicidade

Tags: | | | |

Sobre o Autor

Geovane Souza
Geovane Souza

Geovane Souza é Jornalista e especialista em criação de conteúdo na internet, ações de SEO e marketing digital. Nas horas vagas é Universitário de Sistemas de Informação no IFBA Campus de Vitória da Conquista.

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *