Você sabe o que é reciclagem?

Escrito por Geovane Souza

A reciclagem é o processo de conversão de resíduos sólidos que não serão utilizados em estado físico, físico-químico ou biológico, a fim de conferir ao resíduo características para que ele volte a ser matéria-prima ou produto, de acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS).

Como a reciclagem inclui o reprocessamento de um item, ela é diferente de reutilização (onde o item é usado apenas para outra função) e redução (que inclui a redução do consumo de determinados produtos).

Mas essa “definição fria”, embora importante, não nos leva à origem da história. Além de se perguntar “o que é isso”, você já se perguntou “como” surgiu a prática da “reciclagem”? Como dizem os sábios, vamos começar do início.

Do lixo à reciclagem

Você sabe o que é reciclagem?

Enquanto o mundo for mundo, o lixo sempre estará lá. Os nômades descartaram os restos dos animais que caçavam e, à medida que o homem se tornou mais “civilizado”, a quantidade de lixo que ele produz aumentou.

De acordo com um estudo da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), civilizações antigas como a hindu já possuíam redes de esgoto além de ruas pavimentadas. Por exemplo, os israelitas tinham regras claras sobre o que fazer com seus excrementos e os restos de animais sacrificados, bem como os cadáveres e o lixo produzido pelo reino.

PARA VOCÊ:
Brasil alcança 98,7% de reciclagem de latas de alumínio e mantem liderança mundial

Sabe-se que na Idade Média, várias cidades da Itália tinham regulamentações para o descarte de objetos e carcaças, além de regulamentações para a eliminação de água parada e a proibição de lixo e excrementos nas ruas.

Foi também na Idade Média que surgiram os primeiros serviços de coleta de lixo. Inicialmente, estes eram prestados de forma privada, mas quando falhavam, optava-se pelo serviço público – realizado pelos carrascos da cidade e seus auxiliares, muitas vezes com a ajuda de prostitutas.

No entanto, na segunda metade do século XIX, com a Revolução Industrial, a geração de resíduos aumentou significativamente, com graves consequências para a saúde e o meio ambiente. Novas medidas são necessárias para aliviar as complexidades dos bairros da classe trabalhadora e de luxo.

No século 20, o problema do lixo não era mais apenas o descarte de materiais orgânicos. O paradeiro de todo esse lixo, incluindo o lixo industrial, também era um grande problema, tanto que até meados do século, a maior parte do lixo coletado nos EUA e na Europa era jogado nos oceanos, rios e arredores.

No entanto, até aquele momento, o mundo nunca havia produzido tanto de forma concebível. A Revolução Industrial trouxe novos patamares de produção e, a partir deste momento histórico, a situação do descarte tornou-se mais complexa e preocupante. Se antes o lixo consistia apenas em materiais orgânicos, agora ele tem propriedades diferentes, podendo ser eletrônico, radioativo, industrial, químico, etc.

PARA VOCÊ:
17 de maio é o Dia Internacional da Reciclagem

Portanto, alternativas precisaram ser consideradas ao invés de simplesmente armazenar todos esses resíduos em aterros ou descartá-los no meio ambiente de tempos em tempos, pois a maioria desses resíduos demora muito tempo para se decompor. Portanto, diante dessa demanda, a reciclagem tem um papel importante.

A questão da reutilização não é novidade. Por exemplo, o uso de matéria orgânica como fertilizante tem sido considerado uma tradição secular, além de usar também a técnica da compostagem.

O que é reciclar

O conceito de reciclagem é simples: é a transformação de algo que não tem mais utilidade em matéria-prima, formando itens iguais ou sem relação com o que eram antes. Isso é feito de várias maneiras, e vemos os resultados desse processo em nossas vidas diárias.

É o caso de alguns produtos de consumo, como latas de alumínio, papel de escritório e embalagens plásticas. Esses materiais são reciclados em grandes quantidades. De fato, a reciclagem desse material era comum no início do século 20, quando muitos produtos foram reaproveitados devido a crises econômicas (como a crise de 1929) e guerras mundiais. Durante a década de 1940, produtos como nylon, borracha, papel e muitos metais foram racionados e reciclados para ajudar a apoiar os esforços da Segunda Guerra Mundial (1939-1944).

PARA VOCÊ:
Reciclagem de embalagens longa vida e fabricação de placas e telhas

Foi somente após essa recessão que um país como os Estados Unidos experimentou um momento de prosperidade econômica que fomentou uma cultura de consumo e desperdício. No caso da Europa – quase destruída após a guerra – a implementação do Plano Marshall (US$ 17 bilhões em ajuda a países devastados pela guerra) ajudou a reconstruir economias em países como Grã-Bretanha, França, Alemanha e Itália.

Dessa forma, os Estados Unidos e os países europeus vivenciaram anos de cooperação empresarial que mais uma vez conduziram ao sucesso econômico, contribuindo grandemente para a prosperidade da fabricação de bens de consumo por décadas. Na década de 1970 que a reciclagem passou a fazer mais parte do discurso social, com foco na criação do Dia da Terra – iniciado pelo ativista ambiental senador americano Gaylord Nelson para definir a agenda ambiental.

O termo reciclagem já faz parte do cotidiano de milhões de pessoas em todo o mundo, inclusive no Brasil.

Artigos relacionados