Apollo, o robô humanoide, na linha de montagem de veículos da Mercedes-Benz

Apollo, o robô humanoide, na linha de montagem de veículos da Mercedes-Benz Foto: UOL / Reprodução
Publicidade

A Mercedes-Benz iniciou testes com Apollo, um robô humanoide tecnológico, focando em operações que demandam esforço físico e são monótonas. Este passo vem em resposta às dificuldades cada vez maiores que a fabricante de automóveis vem enfrentando para recrutar trabalhadores consistentes e eficientes.

Com capacidade de erguer cargas de até 25 quilos, os robôs Apollo, criados pela empresa Apptronik do Texas, possuem uma altura de 1,73 metros e um peso de 72,5 quilos. Eles serão empregados nas linhas de montagem automotivas para transportar componentes e executar verificações de qualidade.

Publicidade

Os robôs humanoides oferecem às fabricantes de automóveis a oportunidade de ampliar a automação em suas instalações sem incorrer em custos elevados para alterar a configuração existente. Isso é possível porque os robôs são capazes de se movimentar em espaços originalmente criados para o uso humano.

“Estamos investigando oportunidades inéditas através da implementação de robôs para reforçar nossos colaboradores especializados na produção,” afirmou Jörg Burzer, integrante do conselho da Mercedes-Benz, em declaração oficial. “Trata-se de um território desconhecido e nosso objetivo é compreender as possibilidades que a robótica e a fabricação de automóveis podem oferecer.”

Publicidade

Apollo, o robô humanoide é projetado com uma bateria que dura até quatro horas e possui a versatilidade de ser configurado tanto em uma posição fixa quanto com pernas para locomoção

O Apollo é equipado com luzes LED na cabeça e no torso, que servem para indicar diferentes funções e estados operacionais, incluindo o carregamento e a análise de dados.

LEIA TAMBÉM:  CATL lança TENER: Nova bateria que promete cero degradação em cinco anos e com vida útil estendida

A Mercedes-Benz está conduzindo seu experimento na Hungria, uma nação que lida com a falta de trabalhadores na indústria de automóveis

Publicidade

Jeff Cardenas, co-fundador e CEO da Apptronik, expressou seu entusiasmo ao afirmar: “A criação do Apollo foi impulsionada pela aspiração de parcerias como a que estabelecemos hoje com a Mercedes-Benz, um verdadeiro sonho tornado realidade. A Mercedes-Benz tem planos de empregar a robótica, incluindo o Apollo, para mecanizar tarefas manuais que requerem pouca habilidade e são fisicamente árduas — um exemplo prático que antecipamos ser adotado por outras empresas no futuro próximo.”

Trocar funcionários com altos salários por opções robotizadas pode ser visto como um método eficaz para diminuir custos e aprimorar a precisão em instalações industriais automotivas avançadas, onde há uma baixa margem para falhas. Porém isso não é garantia de sucesso.

A expansão da inteligência artificial (IA) está causando uma revolução silenciosa, redefinindo como interagimos com o mundo ao nosso redor e impactando diversos setores

Antes vista como ficção científica, a IA agora é uma realidade palpável, com presença crescente em várias esferas da nossa vida. Ela está presente desde assistentes virtuais em smartphones até em carros autônomos e sistemas de recomendação online.

Particularmente notável é o avanço no campo do aprendizado de máquina, que permite que algoritmos analisem grandes conjuntos de dados para reconhecer padrões e fazer previsões. Esta capacidade está revolucionando indústrias como saúde, finanças e varejo.

Na saúde, a IA auxilia no diagnóstico de doenças, superando muitas vezes a precisão e rapidez dos médicos humanos. No setor financeiro, está sendo usada para prever tendências de mercado e mitigar riscos financeiros, enquanto no varejo, sistemas baseados em IA estão impulsionando as vendas e melhorando a experiência do cliente.

LEIA TAMBÉM:  CATL lança TENER: Nova bateria que promete cero degradação em cinco anos e com vida útil estendida

Além disso, a IA está abrindo novas fronteiras em campos como robótica, automação industrial e criação de conteúdo digital. Robôs inteligentes estão sendo desenvolvidos para operar em ambientes perigosos ou de difícil acesso, enquanto algoritmos de IA estão criando música, arte e literatura.

Contudo, a expansão da IA não está isenta de desafios. Uma pesquisa da McKinsey revelou que muitas empresas ainda não estão preparadas para lidar com os riscos potenciais da IA generativa, com apenas 21% das empresas que adotam IA relatando ter diretrizes para reger o uso dessas tecnologias.

A imprecisão foi identificada como o risco mais citado, superando preocupações anteriores como segurança cibernética e conformidade regulatória. Além disso, o gerenciamento dos riscos sociais, humanitários e de sustentabilidade associados à IA é fundamental para garantir um crescimento responsável e produtivo dessa tecnologia.

O impacto econômico global da IA já é substancial, afetando o crescimento econômico de várias maneiras, como aumento da produtividade e oportunidades de comércio internacional. A IA também está ajudando empresas a gerenciar unidades de produção complexas, expandir plataformas digitais e facilitar a expansão global, inclusive por meio de serviços de tradução precisos que melhoram o diálogo e a cooperação internacional.

Esses avanços e desafios indicam que, à medida que a IA continua se desenvolvendo, surgem novas oportunidades para profissionais qualificados em diferentes setores. Há uma demanda crescente por especialistas em IA que possam desenvolver e implementar soluções inovadoras para desafios do mundo real.

Portanto, é crucial focar na educação e no desenvolvimento de talentos na área da IA, promovendo a diversidade e inclusão nesse campo em rápida evolução.

Finalmente, enquanto navegamos neste novo mundo impulsionado pela IA, devemos garantir que seu crescimento seja acompanhado por uma abordagem ética e responsável, considerando os impactos sociais, econômicos e ambientais de nossas inovações.

Siga-nos no Google News

Publicidade

Tags: | | | | |

Sobre o Autor

Ana Paula Araújo
Ana Paula Araújo

Ana Paula Araújo escreve no Cultura Ambiental nas Escolas sobre meio ambiente, sustentabilidade, energias renováveis e suas implicações, veículos elétricos e as principais novidades do setor.

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *