Cerâmica desenvolvida em Hong Kong permite um resfriamento eficiente de ambientes sem o uso de eletricidade ao refletir o calor

cerâmica de resfriamento Foto: City University of Hong Kong / Divulgação

Um time de pesquisadores da City University of Hong Kong (CityU) conseguiu desenvolver um material radiativo passivo (PRC) conhecido como cerâmica de resfriamento.

Publicidade

O material desenvolvido por pesquisadores da City University of Hong Kong se destaca por suas propriedades ópticas de alto desempenho, permitindo a geração de resfriamento sem energia e sem refrigerantes, o que contribui para uma maior eficiência energética e o combate ao aquecimento global.

O novo material cerâmico é capaz de resfriar qualquer ambiente sem o uso de eletricidades, apenas refletindo o calor. Além disso, sua durabilidade e versatilidade o tornam altamente adequado para comercialização em várias aplicações, particularmente na construção de edifícios.

Publicidade

Tecnologia inspirada na natureza

A cerâmica de resfriamento, inspirada na brancura bio-inspirada do besouro Cyphochilus, alcança uma refletividade solar recorde de 99,6% e uma emissão térmica no infravermelho médio de 96,5%. Isso é possível graças à estrutura porosa hierárquica do material, que é facilmente fabricada usando materiais inorgânicos acessíveis como a alumina.

cerâmica de resfriamento
Foto: City University of Hong Kong / Divulgação

Este processo envolve simplesmente a inversão de fase e sinterização, sem a necessidade de equipamentos delicados ou materiais caros, tornando a fabricação em larga escala viável.

Publicidade

A cerâmica de resfriamento não só apresenta um desempenho óptico excepcional, mas também exibe resistência notável às intempéries, estabilidade química e força mecânica, tornando-a ideal para aplicações externas de longo prazo.

A sua característica super-hidrofílica em temperaturas extremamente altas permite uma rápida propagação de gotas e uma eficaz impregnação devido à sua estrutura porosa interconectada, o que inibe o efeito Leidenfrost – um fenômeno que normalmente prejudica a eficiência do resfriamento evaporativo em materiais tradicionais de envelope de construção.

Publicidade
LEIA TAMBÉM:  Cientistas criam tecnologia à prova de incêndio que aumenta a segurança das baterias, com capacidades de autoextinção

Cerâmica de resfriamento proporciona impacto positivo no consumo de energia

Material desenvolvido em Hong Kong permite um resfriamento eficiente de ambientes sem o uso de eletricidade ao refletir o calor
Foto: City University of Hong Kong / Divulgação

Experimentos mostraram que a aplicação da cerâmica de resfriamento no telhado de uma casa pode resultar em uma economia de mais de 20% de eletricidade para resfriamento de ambientes. Essa tecnologia inovadora tem o potencial de reduzir a dependência de métodos tradicionais de resfriamento, aliviar a pressão sobre a rede elétrica e minimizar as emissões de gases de efeito estufa.

Olhando para o futuro, o Prof. Tso e sua equipe de pesquisa estão empenhados em avançar ainda mais nas estratégias de gestão térmica passiva. Eles visam expandir a aplicação dessas estratégias para setores variados, incluindo têxteis, sistemas de energia e transporte, promovendo eficiência energética aprimorada e sustentabilidade.

Siga-nos no Google News

Publicidade

Tags: |

Sobre o Autor

Geovane Souza
Geovane Souza

Geovane Souza é Jornalista e especialista em criação de conteúdo na internet, ações de SEO e marketing digital. Nas horas vagas é Universitário de Sistemas de Informação no IFBA Campus de Vitória da Conquista.

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *