Como uma bateria de 1840 desafia as leis modernas da física, funcionando há 184 anos sem recarregar?

Como uma bateria de 1840 desafia as leis modernas da física, funcionando há 184 anos sem recarregar? Foto: Olhar Digital / Reprodução - olhardigital.com
Publicidade

O mundo da tecnologia é palco de inovações rápidas e efêmeras, onde gadgets obsoletos são descartados quase tão rapidamente quanto são criados. No entanto, um dispositivo desafia essa tendência com uma persistência que parece quase mágica: uma bateria de 1840 que funciona há 184 anos sem recarregar.

Este fenômeno não é apenas uma curiosidade de laboratório; ele desafia nossa compreensão das leis da física e oferece uma janela para a história da ciência.

Publicidade

Em 1840, na Universidade de Oxford, uma experiência resultou na criação da Campainha de Oxford Electric Bell, também conhecida como PilhadeVolta de Clarendon. Esta não é uma campainha comum.

Ela é alimentada por uma bateria que, até hoje, jamais foi recarregada, continuando a operar desde o século XIX. A campainha, atualmente quase inaudível, ainda ressoa em um ritmo constante, embora seja mais um sussurro de tempos passados do que um toque claro.

Publicidade

A ciência por trás da longevidade

Uma das razões para a incrível longevidade da bateria de 1840 é seu consumo extremamente baixo de energia. O dispositivo não exige quase nenhum poder para funcionar, uma característica desejável em qualquer bateria moderna.

Segundo Robert Taylor, da Universidade de Oxford, a energia é utilizada de forma quase perpétua pelo movimento pendular entre os sinos, com mínimas perdas principalmente devido à resistência do ar.

Publicidade

Outro aspecto fascinante desta bateria é sua composição, que continua a ser um mistério. Conhecido apenas por ter um revestimento externo que parece ser de enxofre, o interior da bateria remete à pilha de Zamboni, um dispositivo do século XIX que utilizava discos de folha de prata, papel e zinco.

LEIA TAMBÉM:  Pesquisadores desenvolvem robô com olhos de inseto para baratear a tecnologia

Este arranjo proporciona uma explicação parcial para sua durabilidade, mas o verdadeiro segredo de como a bateria continua a funcionar por tanto tempo sem recarregar permanece desconhecido.

O futuro da bateria histórica

Apesar de seu passado impressionante, os especialistas preveem que a bateria que funciona há 184 anos poderá finalmente cessar seu funcionamento dentro dos próximos cinco a dez anos, já que mostrou sinais de desaceleração nos últimos quarenta anos.

Este evento marcará o fim de uma era para o dispositivo que sobreviveu a rainhas e presidentes, mantendo-se em operação por mais de um século e meio.

A existência desta bateria que funciona há 184 anos sem recarregar não é apenas um truque científico; ela serve como um lembrete de que às vezes, em ciência, os maiores mistérios vêm em pequenos pacotes. A Campainha de Oxford não é apenas um artefato; é um testamento ao engenho humano e uma inspiração para os desafios de eficiência energética e sustentabilidade que enfrentamos hoje.

Enquanto a tecnologia avança a passos largos, a bateria da Campainha de Oxford permanece como um símbolo da curiosidade humana e da busca incessante pelo conhecimento. Ela nos ensina a olhar para o passado para entender melhor o futuro, mostrando que algumas das lições mais valiosas podem vir de onde menos esperamos.

Revolução brasileira em baterias: Nova tecnologia promete veículos mais leves e seguros

Uma recente inovação na tecnologia de baterias, proveniente do Brasil, promete transformar o panorama de dispositivos eletrônicos e veículos elétricos. Pesquisadores do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN) e da Universidade de São Paulo desenvolveram um novo tipo de bateria que é mais leve e mais seguro em comparação com as opções tradicionais.

LEIA TAMBÉM:  Conheça a Sea Bike: A bicicleta subaquática que promete velocidade sobre-humana

Este avanço é significativo em termos de viabilidade ecológica e segurança operacional.

Essa nova bateria brasileira utiliza nanotecnologia e células a combustível de hidrogênio para criar uma solução de armazenamento de energia leve e flexível. É notável por ser 20 vezes mais leve que as baterias de chumbo-ácido convencionais e pode operar sob temperaturas extremas, que são tipicamente desafiadoras para as baterias à base de lítio atuais.

Isso torna a nova bateria ideal não apenas para eletrônicos do dia a dia, mas também para aplicações mais exigentes em veículos elétricos e até mesmo possíveis usos na área espacial.

A inovação central envolve a substituição do líquido tradicional dentro das baterias por uma membrana de troca de prótons, junto com nanopartículas de chumbo para os eletrodos. Essa estrutura aumenta significativamente a área de superfície para armazenamento de energia, permitindo um design mais compacto e eficiente.

Além disso, o formato flexível da bateria poderia revolucionar o design e a funcionalidade em diversos dispositivos eletrônicos e veículos.

O aspecto da sustentabilidade também é um componente crucial dessa tecnologia. A dependência da bateria em chumbo — um material com um processo de reciclagem bem estabelecido — contrasta com os componentes mais perigosos e menos sustentáveis, como lítio e cobalto, usados nas baterias atuais. Isso não apenas ajuda a reduzir o impacto ambiental, mas também aborda preocupações de segurança relacionadas à extração e descarte de materiais perigosos.

Siga-nos no Google News

Publicidade

Tags: | | | |

Sobre o Autor

Ana Paula Araújo
Ana Paula Araújo

Ana Paula Araújo escreve no Cultura Ambiental nas Escolas sobre meio ambiente, sustentabilidade, energias renováveis e suas implicações, veículos elétricos e as principais novidades do setor.

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *