Conheça o prédio gigante que será equipado com mais de 1.000 painéis solares

Escrito por Valdemar Medeiros

A Austrália está ganhando seu primeiro prédio comercial com uma fachada de energia solar. Ao todo o edifício contará com 1.182 painéis solares, revestindo totalmente o prédio situado na cidade de Melbourne.

O projeto foi idealizado pela empresa alemã Avancis e a tecnologia garante que cada painel de vidro tenha a mesma espessura de uma fachada comum e, em cada painel, são colocadas células de energia solar de filme fino. Sendo assim, grande parte das pessoas que passarem em frente ao prédio não saberão que a fachada pode gerar energia solar, desse modo, elimina possíveis impactos ou queixas em relação à estética do edifício voltado para escritórios.

Painéis solares do prédio podem produzir mais energia do que painéis comuns

Os módulos de energia solar não possuem moldura, hardware de fixação visível e estão disponíveis em até 9 cores diferentes, incluindo preto, verde, cinza, azul, bronze e dourado. Cada módulo pode ser ajustado em comprimento e montado no modo retrato ou paisagem.

PARA VOCÊ:
Mercado de energia renovável da China cresce rápido demais para sua rede e gera novos entraves

A potência varia de 110 W a 140W com eficiência de até 13,3%. É importante ressaltar que o sistema de painéis solares do prédio é capaz de produzir 50 vezes a energia de um painel de energia solar médio utilizado em residências, pois canaliza a energia gerada para a fonte de alimentação principal do edifício.

É importante ressaltar que o prédio ainda ganhará painéis solares em seu telhado. Com a produção adicional, a estimativa é que a estrutura, que possui oito andares, consiga produzir toda a energia necessária para seu funcionamento.

De acordo com o arquiteto responsável à frente do projeto através do estúdio Kennon Architects, Peter Kennon, a vantagem do uso da energia solar em prédios de escritórios é que a energia gerada pode ser utilizada de forma imediata, tendo em vista que o uso mais comum é durante as horas que há muita luz solar.

PARA VOCÊ:
É verdade que o morango é capaz de melhorar o humor?

Redução nas emissões de CO2

Além deste benefício, a produção de energia solar também evitará a emissão de 70 toneladas de dióxido de carbono por ano. Com o passar dos tempos, os poluentes evitados mais do que compensarão o carbono gerado na construção, de forma que o edifício seja neutro dentro de alguns anos.

O projeto também marca uma nova fase para as construções no país e de acordo com Kennon, produtos de vidro que fazem parte dos painéis solares não estavam disponíveis no mercado australiano e foram necessárias algumas parcerias burocráticas para que o projeto fosse feito.

Leia: Grupo de estudantes de engenharia desenvolve estação de carregamento solar para carros elétricos

Após receber o apoio da Câmara Municipal de Melbourne, o produto ainda passou por vários testes de segurança contra incêndio antes de ser aprovado. Orçado em US$ 40 milhões de dólares australianos, a estimativa é que já no próximo ano o prédio revestido por painéis solares tenha sua construção iniciada.

PARA VOCÊ:
"Pee Cycling" usa urina humana para superar problemas de sustentabilidade e cadeia de suprimentos de fertilizantes

Google utiliza painéis solares em forma de escamas de dragão

No mês de maio, o Google inaugurou seu novo campus na Califórnia. A estrutura recebeu o nome de Bay View, sendo o mais novo projeto da empresa com foco na sustentabilidade e descarbonização.

O campus possui um telhado coberto por painéis solares que se assemelham a escamas de dragão. No total, a empresa utilizou mais de 90 mil painéis de energia solar fabricados especialmente para o projeto e se parecem mais com telhas do que com os tradicionais painéis retangulares.

De acordo com Asim Tahir, responsável pelo projeto, o intuito era equilibrar a geração de energia solar com a estética, o que só veio acontecer devido a ajuda de parceiros e outros fabricantes para o desenvolvimento de novos equipamentos e painéis solares.

Artigos relacionados