Energia solar no Brasil: Governo altera tributação e põe bilhões em risco no setor

Energia solar no Brasil: Governo altera tributação e põe bilhões em risco no setor Foto: Energy Solution Solar / Reprodução
Publicidade

A energia solar no Brasil enfrenta um novo desafio com as recentes alterações na tributação, um tema que está no centro das discussões sobre a sustentabilidade e o futuro da energia limpa no país.

A chamada “taxação do sol” e o fim da redução de impostos para equipamentos solares, em especial os painéis e inversores fotovoltaicos, são as principais mudanças que despertam preocupações e debates.

Publicidade

O aumento da Tarifa de Uso do Sistema de Distribuição (Tusd fio B) para a energia solar fotovoltaica, que começou neste ano (2024), elevará progressivamente até 30% o custo da energia gerada por painéis solares.

Esse aumento gradual avisa sido de 15% em 2023 e continuará a subir até 2029. Curiosamente, projetos em funcionamento antes de 2023 estão isentos desta tarifa até 2045. A medida, parte do Marco Legal da Geração Distribuída, foi sancionada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro e reflete uma mudança significativa no setor de energia renovável.

Publicidade

O fim da isenção de importação

O cenário se complica com o fim da redução da tarifa de importação de painéis solares montados, uma decisão que visa beneficiar a produção nacional de módulos fotovoltaicos.

Esta alteração foi oficializada pelo governo em dezembro de 2022 e inclui a revogação de centenas de ex-tarifários que isentavam o imposto de importação desses produtos.

Publicidade

Embora a medida seja vista como uma forma de valorizar as riquezas naturais do Brasil e incentivar a indústria local, há um debate sobre seu impacto no preço de mercado e na viabilidade dos projetos solares.

LEIA TAMBÉM:  Novo material fotovoltaico dobra eficiência de painéis solares, atingindo 190% eficiência quântica

O futuro da energia solar no Brasil

O setor de energia solar no Brasil, que já tem mostrado um crescimento expressivo, enfrenta agora uma incerteza, por conta dessa tributação. As novas regulamentações podem afetar não apenas os custos associados à produção de energia solar, mas também a atração de investimentos e a criação de empregos.

O governo atual, sob a liderança de Lula da Silva, tem como uma de suas agendas a sustentabilidade e o potencial do Brasil na geração de energia limpa. Como tal, essas mudanças tributárias e regulatórias representam um ponto crítico na trajetória do país rumo a uma matriz energética mais sustentável e menos dependente de fontes tradicionais.

Essas mudanças representam um ponto de inflexão para o setor de energia solar no Brasil, e seu impacto deve ser cuidadosamente monitorado pelos stakeholders. Os próximos passos do governo em relação a políticas energéticas e tributárias serão cruciais para determinar o futuro da energia solar no país.

Desafios logísticos e infraestruturais na energia solar

Os desafios logísticos e infraestruturais representam um aspecto crucial para o desenvolvimento da energia solar no Brasil, especialmente no contexto das novas políticas de tributação. A infraestrutura necessária para a implementação eficiente de projetos de energia solar vai além da simples instalação de painéis solares.

Exige uma rede de distribuição robusta, sistemas de armazenamento eficazes e uma integração harmoniosa com as redes elétricas existentes.

LEIA TAMBÉM:  Como elaborar um projeto de energia solar eficiente

Primeiramente, o Brasil enfrenta o desafio de expandir sua rede de distribuição de energia para acomodar o crescente número de instalações solares, especialmente em áreas remotas ou menos desenvolvidas. Essa expansão é crítica para garantir que a energia gerada por esses sistemas seja efetivamente distribuída e utilizada.

Além disso, o país necessita de investimentos significativos em sistemas de armazenamento de energia. Com a variabilidade da energia solar, armazenar energia durante períodos de alta produção para uso durante a baixa produção é essencial para garantir um fornecimento de energia constante e confiável.

Tais investimentos em infraestrutura são fundamentais para otimizar o aproveitamento da energia solar, mas podem ser impactados pelas recentes mudanças na política tributária, que podem desencorajar investimentos no setor.

Por outro lado, a integração da energia solar às redes elétricas existentes representa outro desafio significativo. Isso inclui a necessidade de modernização das redes para que possam lidar com a natureza intermitente da energia solar e a implementação de tecnologias inteligentes para gerenciamento e distribuição de energia.

Essa modernização é vital para evitar sobrecargas na rede e para garantir que a energia solar possa ser um complemento confiável às fontes tradicionais de energia. A nova estrutura tributária, aumentando os custos associados à energia solar, pode retardar esses esforços de modernização, afetando a eficiência e a sustentabilidade do sistema energético como um todo.

Portanto, enquanto o Brasil busca expandir sua capacidade solar, a atenção deve ser dada não apenas à instalação de painéis solares, mas também à infraestrutura necessária para suportar essa expansão.

Siga-nos no Google News

Publicidade

Tags: | | | | |

Sobre o Autor

Ana Paula Araújo
Ana Paula Araújo

Ana Paula Araújo escreve no Cultura Ambiental nas Escolas sobre meio ambiente, sustentabilidade, energias renováveis e suas implicações, veículos elétricos e as principais novidades do setor.

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *