Montes de escória da siderurgia podem absorver CO2 e combater as mudanças climáticas

Escrito por Bruno Teles

Na esperança de frear as mudanças climáticas globais, diversos países buscam soluções práticas e até inusitadas. Neste sentido, o Reino Unido encontrou cerca de 180 milhões de toneladas de escória — conhecida por purificar metais — e acredita se ela é uma aliada na função de absorver CO2.

Neste sentido, isso aconteceu após a descoberta de milhões de toneladas de escória, em uma exploração pelo passado industrial poluente do Reino Unido. Dessa forma, o subproduto pode colaborar no plano para diminuir a emissão de CO2 e oferecer um futuro mais limpo e sustentável, com menos problemas no clima global.

PARA VOCÊ:
Ford e BMW fecham parceria para produzir baterias de estado sólido e revolucionar o mercado de carros elétricos

Basicamente, a escória é um subproduto feito de pedras na fabricação de ferro e aço. Assim, desde a revolução industrial, mais da metade de toda a escória do país está sendo utilizada na construção civil, como material de construção. A outra metade, possui um potencial invisivel, que não é utilizado como forma de recurso.

mudanças climáticas
Reprodução: divulgação

Imperdível: Japão cria tecnologia capaz de remover CO2 direto da atmosfera

Como absorver o CO2 pode ajudar a evitar as mudanças climáticas?

Atrelado à possibilidade da escória absorver o CO2, podemos dizer que a intenção não é antiga. Isso porque alguns países buscam investir na DAC, ou usinas de captura do ar, que são plantas industriais que “sugam” o ar da atmosfera, com o intuito de eliminar o CO2 por diversas reações químicas.

PARA VOCÊ:
Brasil registra grande aumento nas vendas de carros elétricos

Neste processo, conhecido como DAC, diversos ventiladores espalhados pelo mundo “puxam o ar” e o guia por um filtro embebido em uma solução do conhecido hidróxido de potássio. Muito conhecido na fabricação de diversos produtos, como o sabão, ele pode ser responsável por “limpar o ar” antes de soltar novamente na atmosfera.

Neste sentido, por conseguir absorver o CO2 do ar, o hidróxido de potássio será canalizado e levado a outra câmara, que possui hidróxido de cálcio – o famoso cal da construção civil. Sendo assim, ele consegue prender o CO2 absorvido, e produzir flocos de calcário para eliminar as impurezas que foram encontradas.

PARA VOCÊ:
O setor de transporte não está fazendo o suficiente para deter as mudanças climáticas

Logo, esses flocos são filtrados e aquecidos em uma terceira câmara, conhecida como calcinação, até que se decomponham por completo. Por fim, o CO2 é liberado e armazenado. Por fim, podemos dizer que é uma boa opção para combater as mudanças climáticas, pois todos os resíduos químicos são reciclados.

Artigos relacionados