Poluição por microplásticos nos oceanos pode espalhar patógenos que matam animais ameaçados de extinção

Escrito por Geovane Souza

Os cientistas descobriram um novo problema decorrente da poluição microplástica – a possível disseminação de doenças causadas por parasitas. A presença desta substância nos oceanos e outras massas de água tem levado a comunidade científica a alertar para possíveis ameaças aos ecossistemas marinhos, em grande parte devido aos produtos químicos que compõem os microplásticos. No entanto, o estudo foi capaz de demonstrar a possibilidade de que esses materiais sejam veículos de transporte de parasitas.

Poluição por microplásticos nos oceanos

A pesquisa, publicada na Scientific Reports, analisou a presença de microplásticos e patógenos causadores de doenças no mesmo corpo de água e conseguiu demonstrar que as partículas de plástico são um veículo para espalhar bactérias no fundo do mar.

PARA VOCÊ:
A importância da Sustentabilidade no mundo dos animais de estimação

As doenças analisadas no estudo incluíram Toxo, Cryptosporidium e Giardia. Quando as mulheres grávidas são infectadas, as bactérias que causam essas doenças podem causar uma variedade de problemas de saúde, incluindo doenças gastrointestinais, infecções e defeitos congênitos. Além disso, o Toxoplasma gondii pode infectar animais do ecossistema marinho, matando espécies ameaçadas de extinção.

Poluição por microplásticos nos oceanos pode contaminar e matar animais ameaçados de extinção

Esses patógenos são originários de animais terrestres e hospedeiros humanos, e sua presença no oceano se deve à contaminação dos ecossistemas por esgotos jogados no mar.

PARA VOCÊ:
Gases de efeito estufa atingem nível visto há 5 milhões de anos

Os especialistas realizaram testes de laboratório e conseguiram mostrar que os parasitas se ligam aos microplásticos com a ajuda de biofilmes – uma camada de bactérias que se forma quando os plásticos entram em contato com a água. Sua superfície pegajosa permite que bactérias e parasitas se prendam ao material, mesmo no mar.

Ao final do estudo, duas a três vezes mais parasitas puderam ser observados no plástico do que na água. O tipo de microplástico mais eficiente para transportar essas bactérias são as microfibras.

As microfibras são uma classe de microplásticos descartados pela indústria têxtil e seus produtos. Tecidos sintéticos comumente usados, como poliéster e elastano, liberam microplásticos ao lavar, secar e até mesmo usar as roupas.

PARA VOCÊ:
Brasil está entre os 5 países do mundo com natureza intocada

Os microplásticos existem nos cantos mais remotos do planeta devido à sua capacidade de se espalhar pelo ar e pela água. Aliada ao seu peso, a abundância de material faz com que se espalhe de forma rápida e eficiente. Isso significa que, junto com os microplásticos, os patógenos podem chegar facilmente a esses locais – aumentando suas áreas contaminadas.

Fonte: eCycle e Scientific Reports

Artigos relacionados