Carro voador elétrico da Embraer – Entenda o conceito por trás do eVTOL

Escrito por Geovane Souza

Várias empresas espelhadas pelo mundo como Toyota, Hyundai, Airbus, e algumas startups estão trabalhando na criação de tecnologias para viabilizar a criação do chamado eVTOL, uma espécie de drone elétrico tripulado. No Brasil não poderia ser diferente, empresas como as aéreas Gol e Azul e a fabricante de avião, Embraer, anunciaram planos envolvendo a criação dos mesmos veículos elétricos voadores.

Carro voador elétrico da Embraer - Entenda o conceito por trás do eVTOL
Créditos da imagem: evtol.com

Ainda não há um consenso em relação ao nome que devemos chamar o drone elétrico, pois ele não é como um carro, no entanto, também não é como um helicóptero. A nome eVTOL é apenas uma abreviação, e vem da descrição do veículo (em inglês) Veículo elétrico de pouso e decolagem vertical.

O modelo que está sendo projetado pela Embraer, utiliza energia elétrica para pairar verticalmente, como esses drones de filmagem. A decolagem e pouso são feitos por 8 motores elétricos, já a propulsão fica por conta de outros 2 motores, também elétricos, isso torna o eVTOL mas seguro, silencioso e ecologicamente correto. Em vôo, por ser elétrico, o drone não emite gases de efeito estufa.

PARA VOCÊ:
Tecnologia vestível: Criando uma roupa fácil de arrastar que muda em tempo real

Um sistema automatizado para táxi aéreo está sendo desenvolvido para minimizar a necessidade de intervenção humana. Não há planos para tornar o eVTOL um veículo de uso pessoal e não pode ser conduzido por qualquer pessoa, por isso a necessidade da criação de um sistema automatizado para essa função.

O eVTOL poderá alcançar vôos entre cidades de até 100 km de distância

O projeto desenvolvido pela Embraer, poderá comportar até cinco passageiros e um piloto. O plano das startups mais avançadas ao redor do mundo, é de desenvolverem esses drones elétricos tripuláveis e oferecer rotas de mais ou menos 100 quilômetros. O eVTOL decolará de um chamado “aeroporto vertical de decolagem e pouso” e voará por uma “avenida aérea” até seu destino. No entanto, esse plano ainda não é possível, pois as atuais baterias dos eVTOLs só permitem cerca de 20 minutos de vôo.

PARA VOCÊ:
Um novo sistema de comunicação quântica poderá detectar terremotos

O principal desafio na criação desses drones elétricos tripuláveis é justamente a bateria. Com a tecnologia atual, a capacidade de carga é limitada, por isso, o plano inicial é oferecer viagens curtas, de 10 a 15 minutos de duração.

Algumas empresas planejam alavancar a infraestrutura existente nas cidades e depois construir seus próprios aeroportos verticais. Já existem inclusive, algumas empresas que pretendem se especializar somente em construir e operar esses aeroportos verticais compartilhados. Nos planos futuros, cada bairro terá seu próprio aeroporto de eVTOLs, e assim criar uma conexão entre os bairros da cidade. O funcionamento seria mais ou menos como um ponto de ônibus ou metrô.

PARA VOCÊ:
Ponto mais profundo do oceano Antártico mapeado foi detalhado foi mais detalhes

A AESA, órgão da União Europeia que regula a aviação comercial, disse que pretende regulamentar voos comerciais desse tipo já em 2024. Especialistas preveem que em poucos anos, os voos de eVTOL entre o centro de uma grande cidade e o aeroporto, custará um valor parecido com o de um táxi ou Uber convencional.

Aqui no Brasil, a Embraer informou que pretende entregar sua versão do drone elétrico aos clientes a partir de 2026. Já a Gol e a Azul, informaram que possuem contratos de entrega do primeiro lote de eVTOLs produzido por fabricantes europeias, já em 2025.

Fonte: Fantástico e Evtol
Artigos relacionados