Produção sustentável de vinho ganha destaque no Sul do Brasil

Produção sustentável de vinho ganha destaque no sul do Brasil Fonte da imagem: (Créditos:iStock)

Vinhos brasileiros de marcas tradicionais começam a ser reconhecidos pelo respeito ao meio ambiente

Publicidade

A sustentabilidade não é apenas uma tendência, como a produção sustentável de vinho vem mostrando. Cada vez mais empresas adotam as práticas verdes em suas produções, mostrando que sustentabilidade é um valor que deve estar presente no mundo dos negócios.

No ramo da produção de alimentos e bebidas, a sustentabilidade também vem sendo valorizada e diversos produtos estão seguindo por essa linha.

Publicidade

No Sul do país, onde existe uma forte produção de vinhos, algumas vinícolas já estão adotando medidas para criar rótulos que levam a sustentabilidade para as adegas de todo o Brasil. Porém o respeito ao meio ambiente não é a única característica marcante, já que algumas marcas também recebem o reconhecimento pela alta qualidade das bebidas.

Neste artigo, você vai compreender o que faz um vinho ser sustentável, o cenário da produção ecológica da uva nacional e internacional e como escolher o melhor rótulo verde.

Publicidade

Vinho sustentável de qualidade

Em 2017, o espumante moscatel da Casa Perini recebeu um reconhecimento internacional pela sua qualidade. A bebida foi eleita uma das cinco melhores, de acordo com a Associação Mundial de Jornalistas e Escritores de Vinhos e Licores. O rótulo brasileiro foi bastante elogiado e chamou a atenção para a região que produz esses vinhos.

LEIA TAMBÉM:  White Martins: São Paulo recebe nova usina de hidrogênio verde

Hoje em dia, além de ser considerado um dos melhores do mundo, o espumante pode ostentar o título de bebida sustentável, já que a marca adotou medidas para deixar sua produção mais verde.

Publicidade

Entre as principais ações tomadas pela Casa Perini, está a redução de defensivos agrícolas e um cuidado maior com os afluentes. Para proteger as videiras de pragas, a vinícola utiliza jatos de água quente, ajudando a evitar que as plantas sejam atacadas e sem prejudicar o solo.

Além disso, a vinícola também estuda novas maneiras de fazer com que o vinho chegue nas condições ideais até a mesa dos consumidores. Em substituição às garrafas de vidro, por exemplo, a marca utiliza um modelo de “bag-in-box”, uma caixa com 3 litros que preserva o sabor e o frescor do vinho.

Embalagem externa do modelo bag-in-box
Embalagem externa do modelo bag-in-box (Créditos:iStock)

A redução ou retirada das cápsulas de alguns rótulos, como de seu espumante rosé, também tem como objetivo a redução de materiais que seriam descartados. Ou seja, da produção ao consumo, a marca vem tentando diminuir os impactos que o produto leva ao meio ambiente.

Consumo e produção sustentável de vinho ao redor do mundo

Felizmente, a Casa Perini não tem sido a única empresa do setor que vem se preocupando com as questões climáticas e o cuidado com o meio ambiente em geral. Também no Sul do Brasil há outras vinícolas que têm adotado medidas para preservar os recursos naturais e diminuir a produção de lixo, assim como estimular a reciclagem.

No Brasil, a produção de vinhos vem se aperfeiçoando cada vez mais, tornando os rótulos brasileiros cada vez mais respeitados em todo o mundo. O investimento em sustentabilidade é uma forma de abrir novos mercados para os vinhos brasileiros, conquistando cada vez mais o paladar dos amantes da bebida que estão em outros lugares do mundo.

LEIA TAMBÉM:  Hidrogênio Verde: O que é e qual sua importância

Na França, país responsável pela produção de 16% de todos os vinhos consumidos no planeta, a sustentabilidade também é uma preocupação. É estimado que os vinhos movimentam cerca de 9 bilhões de dólares por ano no país, levantando a necessidade de seguir uma agenda sustentável em sua produção.

Por isso, o país criou alguns compromissos. Até 2025, a região de Bordeaux – conhecida como a capital mundial do vinho – deverá ter uma produção 100% certificada pela sua sustentabilidade. Em uma década, na região do Vale do Loire, as vinícolas de cultivo orgânico saltaram de 417 para 736, mostrando que o compromisso vem sendo respeitado.

Vinhas de Saint Emilion, em Bordeaux, na França
Vinhas de Saint Emilion, em Bordeaux, na França (Créditos:iStock)

Como escolher o melhor rótulo

Para os amantes de vinhos, pode ser mais fácil encontrar um bom rótulo a partir de suas referências, leituras sobre o assunto e experiência com uvas e marcas. Para quem está começando a apreciar agora um bom vinho, é importante conhecer o seu próprio paladar, afinal, especialistas recomendam: o melhor vinho é aquele que agrada o seu paladar.

Com diversas opções de uvas, como sangiovese, cabernet sauvignon, entre muitas outras, o ideal é experimentar as opções e então fazer uma comparação entre as características mais importantes para o seu paladar, assim como o momento em que a bebida será apreciada. Mesmo que o vinho seja servido em um jantar, a fim de acompanhar um determinado prato ou sobremesa, leve em consideração seus gostos pessoais e escolha os rótulos que atendem a essa preferência.

Siga-nos no Google News

Publicidade

Tags: | |

Sobre o Autor

Geovane Souza
Geovane Souza

Geovane Souza é Jornalista e especialista em criação de conteúdo na internet, ações de SEO e marketing digital. Nas horas vagas é Universitário de Sistemas de Informação no IFBA Campus de Vitória da Conquista.

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *