Seres humanos produzem 44,7 milhões de toneladas de lixo eletrônico por ano

Escrito por Geovane Souza

A Universidade das Nações Unidas e a União Internacional de Telecomunicações divulgaram um novo relatório sobre o lixo eletrônico descartado globalmente. A produção ultrapassa 44,7 milhões de toneladas, um aumento de 8% desde 2014.

Aparelhos eletrônicos descartados – materiais com baterias, tomadas, como TVs, painéis solares, celulares, computadores – somam juntos o mesmo peso que cerca de nove pirâmides de Gizé, ou, 4.500 Torres Eiffel. O lixo é suficiente para formar uma linha de ida e volta de Nova York a Bangkok.

Especialistas preveem que, nos próximos anos o processamento desses materiais aumentará 17%, gerando 52,2 milhões de toneladas. O Global E-Waste Monitor, que divulgou os dados, também disse que apenas 20% do lixo eletrônico é reciclado, embora muitas vezes contenha metais recicláveis ​​de alto valor, como ouro, prata, cobre, platina e paládio.

PARA VOCÊ:
PepsiCo dá benefícios e descontos para promover a reciclagem de suas embalagens

O descarte de lixo eletrônico individual também aumentou

Seres humanos produzem 44,7 milhões de lixo eletrônico por ano

Sabe-se que cerca de 4% de todos esses materiais são despejados em aterros sanitários; 76%, ou 34,1 milhões de toneladas, podem acabar sendo incinerados ou reciclados em operações informais, não necessariamente seguras, disse o relatório.

O descarte per capita ou seja, por cada pessoa individualmente, também mostrou uma tendência de alta, disse o documento, com a queda dos preços dos eletrônicos levando ao aumento do consumo, o que, por sua vez, levou a um maior descarte de equipamentos antigos. Como resultado, a média global per capita de descarte desses materiais chega a 6,1 kg, um aumento de 5% em relação aos 5,8 kg em 2014.

PARA VOCÊ:
Empresa lança linha de roupas feitas de garrafas PET recicladas

Os países que mais geram lixo eletrônico per capita são Austrália e Nova Zelândia – cerca de 17kg per capita. A Oceania tem uma taxa semelhante.

A Europa, incluindo a Rússia, foi o segundo maior produtor desses resíduos, com uma médica pesando 16,6 quilos cada pessoa. As Américas produzem 11,6 quilos per capita, enquanto a Ásia tem 4,2 quilos. Os países africanos têm o menor lixo eletrônico per capita em 1,9 kg.

Artigos relacionados