Como as mudanças climáticas estão causando perda de peso nas aves e outros animais da Amazônia?

Escrito por Geovane Souza


Um estudo publicado na revista Science mostrou que as mudanças climáticas já afetaram os corpos de 77 espécies de aves e outros animais da Amazônia. Isso é assustador porque as aves tropicais são indicadores eficazes de mudanças ambientais. De acordo com o estudo, o monitoramento realizado nas últimas quatro décadas mostra que as aves da Amazônia estão em mutação devido aos desequilíbrios ambientais que estão ocorrendo no planeta.

Vitek Jirinec, um dos autores do estudo, disse: “As descobertas sugerem que as mudanças climáticas induzidas pelo homem, bem como os estilos de vida individuais das pessoas ao redor do mundo, se manifestam em coisas tão fundamentais quanto o tamanho e a forma do corpo na ave da Amazônia. Esses resultados ressaltam a participação das mudanças climáticas globais”.

PARA VOCÊ:
Catadores são responsáveis por 90% do lixo reciclado no Brasil
Uirapuru-verdadeiro / Fonte: Wikipédia

O estudo observa que mesmo a Amazônia, que os humanos ainda não alcançaram, já está sendo afetada pelas mudanças climáticas. As condições quentes e secas estão diminuindo o tamanho das aves da floresta tropical e aumentando a envergadura das asas, de acordo com cientistas. Acredita-se que isso seja uma resposta aos desafios nutricionais e fisiológicos, especialmente durante a estação seca.

As aves da Amazônia estão ficando menores década após década

Após mais de 40 anos de trabalho de campo, Jurinec e seus colegas analisaram dados de mais de 15.000 aves. Ao comparar os dados, eles descobriram que quase todas as aves ficaram mais leves após a década de 1980 e também observaram que a maioria das espécies perdeu uma média de 2% de seu peso corporal por década, o que significa que uma ave de 30 gramas há 40 anos, agora calcula a média 27,6 gramas.

PARA VOCÊ:
Banco do Brasil lança modalidade de crédito direcionada a preservação do meio ambiente

O estudo observou que os dados não correspondiam a locais específicos na floresta amazônica. Especialistas observam que as informações foram coletadas em várias regiões da Amazônia, o que significa que o fenômeno pode ser verificado globalmente. No total, os cientistas pesquisaram 77 espécies cujos habitats variam.

Aves de níveis mais altos, que voam mais e recebem mais calor, registraram grandes mudanças relacionadas ao peso corporal e envergadura, de acordo com a pesquisa. As mudanças climáticas representam o maior risco de extinção para as aves sul-americanas. Eles precisam se adaptar rapidamente ou podem acabar vendo seu rebanho encolher.

Fonte: Revista Science / Correio Braziliense
Artigos relacionados